Cânone

Recorte de jornal emendado (d'A Corr. de Fradique  Mendes).

Recorte de jornal emendado (d’A Corr. de Fradique Mendes).

A expressão com que designamos o cânone queirosiano não se confunde com aquela que diz de Eça de Queirós (como de Camões, de Garrett, de Herculano ou de Fernando Pessoa)  que é um escritor canónico. Nessa aceção, hoje relativamente trivial, as obras de Eça  e a sua língua literária  constituem um fator de legitimação dos valores, dos grandes temas e das ideias estruturantes de uma comunidade que a literatura, sobretudo através do sistema de ensino, ajuda a identificar.

Para o que aqui interessa, fala-se em  cânone queirosiano quando nos reportamos  à  autenticidade autoral,  num sentido translato  que consabidamente decorre de um paradigma religioso: do entendimento do cânone como conjunto de textos em que lemos a palavra divina.  De acordo com essa dimensão translata, buscamos determinar que textos são da autoria efetiva de Eça de Queirós e quais aqueles que, embora presuntivamente escritos por ele, o não são ou apenas o são de forma precária e condicionada por acidentes vários, de transmissão, de fixação e de edição em determinado suporte.

Nem por ser um  autor moderno Eça e o seu cânone deixaram de ser atingidos por problemas editoriais que perturbaram a fidedignidade dos textos que lhe são atribuídos.  Para quem ignora tais problemas e os seus efeitos perversos, os títulos O Crime do Padre Amaro, A Cidade e as SerrasProsas Bárbaras ou O Conde d’Abranhos reportam-se,  idêntica e pacificamente, a obras  de Eça de Queirós. Não é bem assim, como hoje sabemos; o trabalho da edição crítica das obras de Eça tem mostrado que o cenário bibliográfico queirosiano foi afetado, ainda em vida do escritor, mas sobretudo depois da sua morte, por intervenções espúrias e por critérios editoriais pouco rigorosos.  Dito de outra forma: Eça de Queirós, enquanto  escritor, não é quem julgávamos que ele era, sem que isto implique uma revisão do valor facial da sua obra, enquanto pedra angular do nosso património literário. Por exemplo:  a edição póstuma d’A Capital,  em 1925, foi afetada por incontáveis intervenções (algumas de teor quase censório) por parte de quem leu e transcreveu (no caso, o filho do escritor) um manuscrito e demais materiais muito complexos;  e as várias edições divergentes d’A Tragédia da Rua das Flores, publicadas a partir de 1980, criaram uma situação extremamente confusa e controversa, por carência de uma estratégia editorial devidamente ponderada. Num outro plano, um volume intitulado Notas Contemporâneas (editado pela primeira vez em 1909, por Luís de Magalhães) constitui um aglomerado de textos dispersos, de épocas e de géneros muito distintos, sem qualquer unidade bibliográfica.

Em síntese: pode afirmar-se que a questão do cânone queirosiano  é da família de outras   similares (por exemplo, o cânone da lírica camoniana ou o do teatro vicentino). Tal questão pertence, no entanto, a um ramo mais recente e tem a feição que lhe foi incutida pelas lógicas culturais e editoriais vigentes do século XIX em diante. Sendo assim, a edição crítica das obras de Eça é um contributo decisivo para a renovação do cânone queirosiano.

Artigo anterior
Artigo seguinte
Deixe um comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: