Eça e o Oriente

Por uma Ásia mais próxima do que o Japão ou a China fizera Eça de Queirós, em 1869, uma jornada decisiva para o seu futuro literário. Ocorreu essa jornada num momento histórico: a 17 de novembro daquele ano, era inaugurado o Canal do Suez, gigantesca obra de engenharia que havia de mudar  os equilíbrios estratégicos mundiais, nos planos político e comercial e no que toca às  relações da Europa com o Oriente. Eça estava lá, com o seu amigo e futuro cunhado, o conde de Resende, e deu nota disso, como repórter, no Diário de Notícias; e assim, em quatro números do jornal, de 18 a 21 de janeiro de 1870,  esse que era um romancista ainda em formação, fez, como ele mesmo disse, “o relatório chato das festas de Port Said, Ismailia e Suez.” E anunciou: “Talvez em breve diga o que é o Cairo e o que é Jerusalém na sua crua e positiva realidade, se Deus consentir que eu escreva o que vi na terra dos seus profetas.” (Queirós, s.d.b: 5)

Com efeito, de acordo com  um testemunho de Ramalho Ortigão, Eça  projetou um livro de título prometedor,  Jerusalém e o Cairo, livro que, contudo, nunca chegou a ser  publicado – porque não foi escrito. Mas  daquele projeto sobreviveram materiais e não foram poucos, esboçados num registo temático e discursivo ainda corrente e apreciado no século XIX, o da narrativa de viagem (nota tempestiva: no plano da Edição Crítica das Obras de Eça de Queirós, existe uma secção que justamente acolhe estes materiais). Os manuscritos, postumamente publicados pela família do escritor, no volume O Egito (de 1926) e em Folhas Soltas (de 1966), dão notícia não apenas de um observador muito atento a  espaços, a figuras e a fenómenos sociais novos para ele, ao mesmo tempo que deixam transparecer um certo fascínio pelo Oriente, em particular aquele que exibia a aura de ser o berço do Cristianismo.

É claro que, ao viajar pela Síria e pela Palestina, Eça não levava consigo apenas um companheiro e mais a bagagem material que qualquer viajante transporta; uma outra “bagagem”, esta de natureza literária, acompanhava o jovem escritor em formação. Refiro-me sobretudo a modelos e a nomes franceses, por exemplo, à Voyage en Orient de Gérard de Nerval, de 1851, a Constantinople de Théophile Gautier, de 1853, ou a Le Nil (Égypte et Nubie), de Maxime du Camp, resultado de uma viagem realizada entre 1849 e 1851 na companhia de Flaubert,  que deu lugar àquele volume, em 1854. Ao volume e a fotografias, novidade importante na época, sobretudo se pensarmos que Du Camp levava consigo uma  máquina calótipo, câmara portátil  que, gerando negativos (diferentemente do daguerreótipo), permitia a reprodução da imagem fixada. Noutros termos: o misterioso Oriente começava a ser visível a mais do que um título.

(De “Eça de Queirós e o Oriente”, in Portugal-China: 500 anos. Lisboa: BNP/Babel, 2014, pp. 221-225; texto integral).

Eça estava lá e deu nota disso,  no Diário de Notícias;

Eça estava lá e deu nota disso, no Diário de Notícias

 

 

Deixe um comentário

1 Comentário

  1. Piwnik

     /  30 de Julho de 2014

    Não me lembro se lhe disse que encontrei um trecho em Fradique directamente tirado de du Camp.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: