Escutar a literatura

A cultura da escuta não se limita ao âmbito comummente aceite como musical (a música, nos seus mais diversos

Um concerto de amadores, por Columbano Bordalo Pinheiro

Um concerto de amadores, por Columbano Bordalo Pinheiro

géneros e formas), abrange também todas as outras manifestações sonantes que povoam o mundo e a vida: sejam sons da natureza, sejam sons artificiais, resultantes do engenho humano (do “processo civilizacional”). Sons, aqui entendidos no sentido mais lato possível, abstraindo da distinção cultural e instável entre som e ruído. A cultura da escuta implica ainda o que está para além do som, os contextos de interação para os quais ele nos remete, as interpelações que nos faz, a atenção que nos suscita (quer para o aceitar, quer para o recusar), ou até a aparente indiferença com que o percecionamos. (…).

Os ensaios reunidos neste volume partem destas questões mais fundamentais (abordadas no primeiro capítulo – Música e dialética da escuta) para a indagação do papel que elas assumem na literatura. Percorrem-se várias constelações de entrecruzamento entre literatura e música (mormente no capítulo dedicado à época romântica), mas sobretudo perscruta-se o papel que as referências ao universo sonoro desempenham na ficção: nuns casos, contribuindo para estruturar o discurso ou encenar personagens e situações (capítulos dedicados respetivamente às Viagens na minha terra, de Garrett, e a O Crime do Padre Amaro, de Eça de Queirós); noutros casos, tomando-se elas mesmas tema, objeto ou matéria principais do romance (capítulos dedicados a Os Teclados, de Teolinda Gersão, e A noite das mulheres cantoras, de Lídia Jorge).

Eminentemente sociológico é o resultado final: não tanto pelo método da análise, mas mais pela força ou pela energia dos próprios testemunhos literários. É deles que a sociologia emana. É deles que emana a chance de verdade: literatura, poesia, ficção – numa palavra, arte – como teoria crítica.

 (Mário Vieira de Carvalho, apresentação a Escutar a literatura. Universos sonoros da escrita. Lisboa: Edições Colibri/Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical, 2014)

digitalizar0002

Deixe um comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: