Carta Inédita de Fradique Mendes

A Madame de Jouarre

Lisboa, começos de setembro

Minha boa Madrinha:

Carlos Fradique Mendes António           Em veraneio por esta Lisboa encalorada, aproveito para lhe dar conta das novas e mandados com que esta capital do Reino nos tem brindado nos últimos tempos;  de sobra sei que a minha Madrinha não toleraria que outros lhas confidenciassem, mesmo  com zelo  semelhante ao meu. E como, mais do que o tremendo olhar de Medusa, temo o  sobrolho franzido pelos seus amuos,  aqui venho, pressuroso e obrigado, depor no seu regaço os tais mandados e as tais novas.

Não padeço  da loquaz coscuvilhice de bondosa comadre que a outra comadre revela os segredos da vizinhança; em vez disso, motiva-me o esforço que há longo tempo venho fazendo para entender Portugal e os portugueses. Não é tarefa ligeira, posso assegurar. Coisas que aqui se passam dificilmente encontram parecença com proezas que a História  desveladamente guarda, bem aferrolhadas sob o pó dos seus arquivos  e nos ponderosos volumes que lhes consagrou.  No século que foi o meu, pude testemunhar acontecimentos tão extraordinários como as revoluções que em 48 mudaram o curso secular da velha Europa, a guerra da Crimeia, a ira do grande Hugo contra Napoleão le Petit, a navegação do Suez e o desastre da Comuna. Nada  se compara, contudo,  com  episódios  que nas últimas semanas têm agitado o dia a dia da minha Pátria e dos meus patrícios.

Saberá a minha madrinha que os portugueses têm vivido, nos últimos meses, com a angustiada preocupação de saberem qual será, por fim, o destino de um certo político que durante  anos os governou. Aparentemente em vias de ser acusado de malfeitorias que, jura ele e juram os seus competentes causídicos, jamais cometeu, este homem representa bem, et pour cause, aquilo a que os plumitivos de serviço chamam, com a originalidade que os distingue, a “classe política”. Segundo os meus concidadãos, pertencem a essa “classe” todos aqueles que, intrigando no Parlamento, discreteando em gabinetes ministeriais ou travando esganiçadas batalhas eleitorais, persistem em pôr alguma ordem (ou o que eles entendem como tal) nesta minha terra de doce clima. Os meus compatriotas reservam a esta “classe política” o  desprezo que provém de pensarem, praticamente sem exceção que se conheça, que ela fervilha de “gatunos”; ou que, no dizer de uma minha serviçal,  “eles querem é governar-se”. Não trato de esmiuçar agora  se algum grão de  verdade alimenta estas conjeturas, porque o caso  que lhe ofereço nestas linhas desataviadas é mais flagrante – e bem apetitoso!

A figura de quem tanto se fala esteve encarcerada durante largos meses, por ordem de uma Justiça que, para uns, foi indolentemente branda, enquanto, para outros, tem mostrado mais crueldade do que Nero enfurecido com os primeiros Cristãos. Ignoro  qual das duas fações tem razão. Ignoro-o eu e ignora-o o professor Marcelo, coisa que sobremaneira me  conforta o sono porque assim me acho tutelado pela companhia perspicaz do grande Comentador. O que sei é que nunca a prisão de alguém – para mais um “político”! – agitou tantas emoções e desatou tantos comentários. Não há talvez um só português que não tenha já exarado sobre o homem um veredicto definitivo! Mesmo este seu dedicado afilhado, depois de laboriosas congeminações, vai engendrando uma convicção firme quanto às acusações que sobrecarregam os ombros da criatura. Nisto, devo acrescentar, somos todos  ajudados pelas gazetas (e em especial por um matutino com grande aceitação e esforçados informadores) que diariamente nos trazem  notícia de novas aleivosias e de novas cumplicidades, prontas a serem assacadas ao pobre arguido.

O caso que sobre todos os outros motiva esta minha epístola aconteceu há alguns dias e trouxe de novo a tal https-page0001personagem (mas não só ela!) para o centro daquilo a que os periodistas chamam “espaço mediático”. Tendo sido aliviado da  frieza do cárcere em que jazia, o nosso homem  foi colocado naquilo a que prosaicamente se chama “prisão domiciliar”, um conforto  que lhe dá direito a ostentar à porta (ou nas escadas, não posso precisar) um garboso polícia. Situada numa sossegada rua de Lisboa, a discreta casa que assim serve de “prisão domiciliar” foi objeto, desde logo, da voracidade noticiosa de jovens repórteres que, de câmara e microfone em punho, ali montaram um cerco mais tenaz do que o assédio que por dez anos sitiou os muros de Troia.

Acabou-se, pois,  a pacatez daquela rua e daquela casa, para gáudio da vizinhança (que legitimamente aspira a “aparecer na televisão”) e sobretudo do “Cantinho do Abade”, pitoresca casa de comidas e bebidas que ali está paredes meias com o tal domicílio. Com razão o  digno proprietário do “Cantinho”  esfrega já as mãos de contentamento, regalado com uma tão inesperada publicidade. E de facto, logo no princípio da noite em que este caso começou, estava a rua enxameada de repórteres;  ali foram eles conduzidos  por uma intuição luminosa, pois que de outro modo nunca saberiam quem naquela casa obrigadamente passava a residir e nem testemunhariam o que se  seguiu.

Imagina a minha madrinha que foi o tal político a colher a atenção dos  repórteres? Engana-se e  engana-se redondamente, como  os seus claros olhos poderão ver e rever! Quem ali foi entrevistado e minuciosamente filmado foi o expedito funcionário de uma empresa de pizzas! Nem mais, minha madrinha! O rapaz da pizza, ostentando o seu  elmo de motociclista elegantemente descaído sobre a nuca, para que o seu rosto agora famoso ficasse bem à vista de todos.

Ao que parece, o tal político teve a veleidade de,  nas suas primeiras horas de quase liberdade, encomendar uma iguaria que lhe confortasse o estômago, desconsolado como estava pelos   meses em que teve de se contentar com as austeras ementas prisionais. Em má hora o fez  – para ele, porque acabou por ficar sem a encomenda. Mas em boa hora o decidiu, para o tal mancebo, que é hoje uma figura famosa para uma boa parte dos portugueses que seguem estes  incidentes com atenção gulosa.

https 3-page0001           Adivinho daqui a sua perplexidade e bem compreensível é ela. Não há, com efeito, palavras que decentemente relatem os cinco minutos de fama que o Destino  reservou a um jovem até então mais estranho às massas do que para mim o é a remota gramática do sânscrito; só mesmo o grande Balzac e a  pena com que ergueu, para nossa ilustração, todo um mundo de carateres e de paixões, só  ele poderia descrever com precisão e com verdade o rosto atónito e quase divertido  do moço metido em tais apertos. Limito-me, por isso, aos breves traços que a minha inépcia de cronista improvisado consente.

Ao chegar à porta  número 33, com o intuito de entregar a sua mercadoria, e não tendo tido a  intuição dos repórteres  (e, portanto, desconhecendo não ao que ia, mas a quem ia…), foi o moço prontamente intercetado por câmaras de filmar, por microfones  sequiosos e por  perguntas em catadupa: quem  tinha feito a encomenda?  A que andar iria ela subir? Sabia ele a quem os víveres se destinavam? E mais: que condimentos temperavam a pizza? Perante estas ingentes questões, o rapaz olhou com desconfiança risonha aquele bando de perguntadores e só pôde manifestar a  inocente surpresa de quem inopinadamente se vê em semelhantes assados.  De todas as perguntas só encontrou resposta para uma: a pizza era de extra-queijo e pepperoni,  uma  informação, minha madrinha,  que os historiadores e os sociólogos que atentamente nos esperam lá no futuro não se atreverão a descurar. Extra-queijo e pepperoni! Adivinho daqui os sisudos ensaios  que  os ditos sociólogos hão de compor,  achando-se na posse de tal informação; e imagino que surpreenderão  os vindouros com títulos tão suculentos como Hábitos alimentares em prisão domiciliar nos começos do século XXI; ou Influência do extra-queijo no Direito Penal e em sua arquitetura jurídica; e ainda, Indigestões de pepperoni em contexto de indagação criminal: novos contributos.  

A minha madrinha sorri, por certo. Mas não deixará de reconhecer que este jovem  que trago ao seu conhecimento page0001é, mesmo contra a sua vontade,  um benemérito digno da nossa efusiva gratidão. Sobejamente a merece ele, que mais não seja pela clareza com  que encerrou o episódio. Perguntado sobre se iria comunicar a impossibilidade de entregar a comida à sua cadeia (de produtos alimentares, como queria dizer a atabalhoada repórter), de pronto respondeu: “Cadeia? Esperem aí, eu não estou preso!”

Porque, por fim, a pizza não foi entregue e o extra-queijo e mais o pepperoni falharam o alvo a que iam dirigidos! Por lamentável esquecimento, faltava àquele Mercúrio das pizzas uma identificação que, bem nítida e bem eloquente, dissesse às forças da autoridade quem ele era de facto.  Deus sabe, terão pensado os espertos guardiões do número 33 e do seu residente, que engenhos e que artimanhas podem esconder-se nas vastas caixas de cartão  que levam as pizzas de porta em porta.

Assistindo a tudo o que bem imperfeitamente lhe narro, uma amiga minha, pessoa de invejável argúcia e dotes domésticos irrepreensíveis, afiançou-me que nada disto tem a verosimilhança de que outrora falava o velho Aristóteles. Segundo ela,  aquele número 33 a que se recolheu a ilustre personagem  estará mais do que fornecido de confortos e de mantimentos. A ser assim,  a entrega da pizza, garante a minha amiga,  teria resultado de uma  montagem não destituída de intenção publicitária.  Quem tal faria? A  cadeia (salvo seja) de comidas? Um provocador político? Um qualquer gracioso desejoso de fama momentânea? Não sei.

O que sei e convictamente sustento é que o meu alegre país está cheio de confortos que  lhe asseguram e a quantos tivemos a ventura de aqui nascer um lugar na História dos povos. Veja bem, estimada madrinha: somos servidos, de forma bem diligente e constante, por escribas e por repórteres preocupados com o nosso divertido bem estar e não com as chagas que a vida moderna reserva aos que a observam com o olhar bisonho dos pessimistas. E se pensarmos (como eu penso)  que os tais periodistas e os tais repórteres mais não são do que a ágil extensão (ou o braço armado, como diria o velho general Sequeira) da incompreendida e estoica “classe política”, então tudo se conjuga para que aqui desfrutemos daquela aurea mediocritas que os Antigos almejavam. Refugiados em debandada, crise demográfica, ameaças terroristas, bancos em rutura, colapso das bolsas, desemprego de jovens (e de adultos!), impostos que nos massacram, desconjuntamentos da velha Europa tudo isso é secundário, se  soubermos gozar a  existência amena que por estas gentes  nos é oferecida, com generoso  altruísmo.

E assim, a despreocupada vida que nos tocou em sorte bem livre está de coisas tenebrosas. Basta que  saibamos entreter-nos com os extra-queijos de uma pizza que errou o alvo! Não entendo mesmo por que razão persistem alguns espíritos  quezilentos em falar dos males que, segundo eles, nos atormentam, sempre ignorando os esforçados trabalhos do bem falante Coelho e do risonho Portas, a bem da Nação. Se mais não alcançar a bondade lusitana, bem merecem eles, no dia que a Providência o destinar,  ser  brindados também com uma pizza condimentada a seu gosto e bel-prazer. E mais: que tal pizza seja entregue, para castigo, por  um dos tais espíritos rabugentos, bem filmado pelos repórteres de serviço, para que a justa penitência  se espalhe e seja conhecida urbi et orbi. Quem sabe, por fim  aprenderão eles que o ódio azedo que destilam só contribui para infernizar os dias dos que nos governam e os de todos aqueles que têm a fortuna de assim ser governados.

Beija-lhe as mãos com  carinho,

Carlos Fradique Mendes

Deixe um comentário

2 comentários

  1. Cresce a minha admiração pelo humor e finura de texto do Carlos Fradique Mendes que escreve estas cartas inéditas do séc. XXI.

    Responder
  2. Foi grande o interregno. Já receava que o “amigo” (permita-me esta veleidade, caro Fradique!) estivesse com alguma pendência com a sua “madrinha”!! Afinal, era apenas uma questão de oportunidade. Gostei da parte em que os vindouros “cientistas” do social terão a sua oportunidade de dar títulos a tão pertinentes estudos sobre hábitos alimentares dos que habitam este “decadente” retângulo situado a oeste de uma Europa que voltou a ter “arame farpado” para impedir os “bárbaros” de comerem as suas “pizzas”! Só tenho uma “petit” dúvida, talvez mais premonição! Se um dos vindouros estudiosos estiver mais próximo daquela agremiação “bafienta” da Alameda das Linhas de Torres, então irá acrescentar ao primeiro título aquela palavra tão “adminicular”, ie SUBSÍDIOS! Ficaria, se me permite, “Subsídios para o estudo dos Hábitos alimentares em prisão domiciliar nos começos do século XXI”!
    Grande abraço.

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: