Eça de Queirós e a Religião

Banda desenhada, por Marcatti

Banda desenhada, por Marcatti

A religião configura-se como uma das principais temáticas da obra de Eça de Queirós. Muito da ficção do autor deixa transparecer nuanças de reflexões acerca da transcendência e da relação do homem com o sobrenatural, além de incessantes críticas à religião oficial de Portugal, o Cristianismo, e à principal Instituição religiosa do país, a Igreja Católica. Além de um anticlericalismo explicitamente revelado, o interesse de Eça se estabelece em questionamentos que vão desde o caráter transcendente apontado pelo Cristianismo até a discussão do que seria de fato a santidade e a transcendência. Em algumas obras a religião, e tudo o mais que é correlato a ela, são temas explícitos e avultantes como  O Crime do Padre Amaro (1880), A Relíquia (1887), Lendas de Santos (escritas entre 1891 – 1897, publicadas postumamente em 1912) e alguns contos como “Frei Genebro” (1894) e “O Suave Milagre” (1898). Porém, encontramos também outras ficções, cartas, crônicas e artigos de jornais nos quais a temática religiosa perpassa o discurso de maneira implícita, mas não menos instigante, caso de algumas cartas de Fradique Mendes, por exemplo.

Anúncios
%d bloggers like this: