Juliana

De seu nome completo Juliana Couceiro Tavira, esta é uma personagem com relevo crescente ao longo da ação do romance, sobretudo quando se torna verdadeira protagonista de uma espécie de segunda intriga (decorrente do adul-tério), que é a da chantagem exercida sobre Luísa.

Logo na sua caracterização e pelos termos em que é elaborada, percebe-se que se trata de uma personagem com um certo destaque funcional e semântico. A sua entrada na história (cap. I) suscita uma primeira descrição, eminen¬temente física e já de tom depreciativo: “Devia ter quarenta anos, era muitíssimo magra”; as suas “feições, miúdas, espremidas, tinham a amarelidão de tons baços das doenças de coração”; fala-se depois na inquieta curiosidade de que constantemente dá mostras e, em geral, na sua fealdade.

Marília Pêra como Juliana, na versão d’O Primo Basílio de Gilberto Braga para a Globo (1988)

A esta primeira caracterização, de tom visive¬lmente naturalista, segue-se uma outra (cap. III), bastante mais minuciosa, agora de incidência social e psicológica. Numa longa analepse, o narrador ocupa-se do passado de Juliana, da sua origem social precária, dos seus antecedentes como criada (“servia, havia vinte anos. Como ela dizia, mudava de amos, mas não mudava de sorte”), do ódio que vai acumulando em relação às patroas, da sua saúde debilitada, do seu temperamento azedo e conflituoso, das suas atitudes desconfiadas e vigilantes: “Tinha um modo de andar ligeiro e surpreendedor. Examinava as visitas. Andava à busca de um segredo, de um bom segredo! Se lhe caía um nas mãos!”

Juliana é, pois, uma personagem relativamente complexa, cuja intervenção na ação se torna decisiva, a partir do momento em que detém esse “bom segredo” que perse¬guia: os bilhetes e cartas trocadas entre Luísa e Basílio, que lhe permitem exercer chantagem sobre a patroa. É sobretudo a partir de então que os atributos de perversidade e espírito de vingança, sugeridos nas caracter¬izações iniciais, emergem decisivamente, até ao desenlace que é a morte da personagem (cap. XIII).

Figura que pode considerar-se das mais interes¬santes da ficção queirosiana, Juliana concentra em si senti¬dos e valorações de certa forma contraditórios. Por um lado, ela parece representar a solidária preocupação de Eça (e sobretudo do Eça de formação ideológica socialista e reform¬ista) relativamente a desequilíbrios e a injustiças sociais que havia que denunciar; por outro lado, Juliana acaba por ser configurada como entidade de sinal negativo, suscitando sentimentos de rejeição. É significativo, aliás, que seja Sebastião, o “bom rapaz”, quem consegue resolver a situação criada, arrancando a Juliana as cartas roubadas, o que definitivamente lança sobre a personagem um estigma de condenação, pelos comportamentos que interpreta.

Deixe um comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: